Dispositivo Portátil Transforma Bicicletas Convencionais em Elétricas

CLIP é um dispositivo que “eletrifica” bicicletas convencionais, fazendo com que o esforço seja menor ao pilotá-las.

Imagine transformar a sua simples bicicleta convencional em um modelo motorizado e conectado à internet? Por incrível que pareça, isso é possível através de um dispositivo chamado Clip. 

Os responsáveis por essa façanha, Somnath Ray e Clement Dealcala, projetaram e fabricaram um equipamento portátil na forma de uma bateria de sete libras que alimenta uma roda que pode ser presa na frente de qualquer bicicleta.

Por ser um equipamento plug-and-play, ele é facilmente anexado e facilmente removido das bicicletas convencionais (Divulgação/Somnath Ray)

De acordo com os fabricantes, o CLIP tem como objetivo melhorar o deslocamento diário, tornando-o mais fácil e divertido e, em última análise, encorajar mais usuários a pedalar.

De acordo com Ray, a equipe encontrou no dispositivo que a solução para esse problema tinha que ser matizada e se aplicar a uma ampla demografia de passageiros urbanos. 

“A solução tinha que ser portátil e leve, para que pudesse ser facilmente removida após cada uso e levada junto, para que não pudesse ser roubada, modular e barato para que uma pessoa que não possui uma bicicleta ou tem um trajeto intermodal complicado pode trazê-la para usá-la em bicicletas compartilhadas; ou apenas alugue em uma máquina de venda automática” explica.

Como Funciona o Eletrificador de Bicicletas Convencionais

Pesando aproximadamente 3 kg, ele fixa-se à roda dianteira de forma a ser compatível com o maior número possível de bicicletas (Divulgação/Somnath Ray)

Feito com uma moldura preta e laterais de alumínio escovado, o CLIP contém um motor de 450W alimentado por uma bateria de 36V, 144Wh. Por ser uma unidade de fricção, um rolo é acoplado diretamente na roda dianteira, impulsionando a bicicleta sem a necessidade de adicionar rodas dentadas e/ou engrenagens. 

Pesando aproximadamente 3 kg, ele fixa-se à roda dianteira de forma a ser compatível com o maior número possível de bicicletas, incluindo as utilizadas para partilha de bicicletas. Por ser um equipamento plug-and-play, ele é facilmente anexado e facilmente removido. Logo,  sempre que o usuário quiser estacionar a bicicleta, poderá levar e guardar o equipamento para que ele não seja roubado.

(Divulgação/Somnath Ray)

Apesar de prático, somente irá funcionar caso a roda dianteira tenha de 26 ”a 28” de diâmetro. Uma carga completa é alcançada em apenas 40 minutos, então mesmo se você ficar sem energia inesperadamente, você não terá que esperar uma eternidade para voltar à estrada. Uma carga completa equivale a uma velocidade média de 24 km /h, num percurso de 16 a 24 km em um trajeto de 45 minutos.

É importante dizer que o CLIP é compatível com Bluetooth. Vem com um aplicativo próprio, com o qual você liga e desliga o motor durante o passeio, caso precise de ajuda para subir ladeiras ou simplesmente quiser menos esforço para pedalar. 

O CLIP se enquadra na categoria de e-bikes Classe 1, com pedal, mas sem acelerador. A geração atual do CLIP não é recomendada para pilotar na chuva, mas os fabricantes esperam mudar isso na próxima interação.

Projeções para o Eletrificador de Bicicletas Convencionais

(Divulgação/Somnath Ray)

Ray afirma que já foram produzidos mais 100 equipamentos, valendo aproximadamente US $400 (R $2.150). As  encomendas foram feitas por moradores dos Estados Unidos, de diversos países da Europa e até da Argentina.

O empresário espera que o preço diminua durante futuras rodadas de produção (provavelmente maiores). Isso permitirá que ele venda mais amplamente do que os primeiros usuários.

(Divulgação/Somnath Ray)

“Nosso comprador-alvo é o viajante urbano — alguém que precisa se deslocar para o trabalho regularmente e entende que andar de bicicleta é a solução mais econômica, mais limpa e saudável”, finaliza Ray.

Enquanto isso, a dupla de desenvolvedores agora estão trabalhando para adicionar novas funções ao aplicativo, como metas de pegada de CO2 com gamificação.