Permacultura: O Que É e Como Funciona (+5 Exemplos)

Neste artigo vamos te mostrar os princípios da Permacultura urbana e como começar essa prática em 2021. Leia e confira!
permacultura

A permacultura pode ser definida como um projeto de cultivo consciente e que tem como objetivo realizar a sua manutenção de acordo com o ecossistema agrícolas produtivos. Nesses ambientes são levados em consideração estabilidades, diversidade e resiliência do ecossistema natural.

O Que É Permacultura

A Permacultura tem como objetivo buscar através de alguns princípios o perfeito equilíbrio entre o desenvolvimento humano e a natureza. Todos esses princípios levam em consideração a utilização consciente dos recursos que a natureza oferece.

E não apenas isso, devemos procurar realizar o cultivo e a manutenção dos recursos de maneira equilibrada, utilizando recursos que a própria natureza oferece para a manutenção do cultivo.

O homem deve procurar averiguar se tudo o que ele “precisa” realmente é necessário para sua sobrevivência. Os produtos devem ser criados para serem duradouros e a compra deve ser desassociada ao prazer e sim deve ser associada a uma real necessidade.

Quem Criou e Quando Foi Criada

A permacultura é uma nova forma de cuidar da terra e das pessoas, mas a sua criação não aconteceu agora. Foi criada na década de 70, pelos australianos David Holmgren e Bill Mollison. 

Como Funciona A Permacultura – 3 Pilares

A expressão vem do inglês “Permanent Agriculture”, depois de um tempo, sua compreensão mudou e passou a ser chamada de “Cultura permanente”.  A permacultura segue basicamente três princípios éticos, que são:

  • Cuidar da terra: Esse princípio tem como objetivo manter a terra saudável. Oferecendo provisão a todos os sistemas de vida para que eles se multipliquem e continuem a sua existência. 
  • O Cuidar das pessoas: O objetivo aqui é garantir que todas as pessoas tenham acesso aos recursos necessários para garantir sua existência.
  • Já o Cuidar do Futuro: Tem como principal função incentivar os limites ao consumo e crescimento e garantir que tudo seja partilhado de maneira justa.

Em volta desses três pilares básicos, a permacultura tem outros doze princípios que visam o planejamento e o desenvolvimento da técnica. Vamos entender mais sobre cada princípio.

12 Princípios da Permacultura

  1. Observe e interaja 
  2. Capte e armazene energia 
  3. Obtenha rendimento 
  4. Pratique a autorregulação e aceite conselhos (feedbacks) 
  5. Use e valorize os serviços e recursos renováveis 
  6. Não produza desperdícios
  7. Design partindo de padrões para chegar aos detalhes 
  8. Integrar ao invés de segregar
  9. Use soluções pequenas e lentas 
  10. Use e valorize a diversidade 
  11. Use os limites e valorize o marginal 
  12. Responda criativamente às mudanças 
  1. Observa e interaja

Logo esse princípio tem como objetivo, observar o meio e utilizar recursos que estão disponíveis para solucionar um problema. Já que algumas soluções podem interferir no meio como um todo. 

Ou seja, uma erva daninha pode ser utilizada como uma planta medicinal, ou um pó de pedra ser utilizado para corrigir o solo e ainda utilizar plantas para combater uma doença de forma natural. São soluções que se encaixam nessa observação da permacultura.

  1. Captação e armazenamento de energia

Portanto, é importante considerar a quantidade de energia consumida e a maneira com que elas são produzidas. Procurar formas de serviços e produtos que durem por um período mais longo e antes de consumir algo, pensar se o mesmo é realmente necessário.

  1. Obtenha rendimento 

De uma forma simples, além de pensar em novos modos de consumo a longo prazo, deve-se buscar soluções para o agora. Precisamos otimizar recursos e o trabalho que realizamos e tudo em harmonia com o natural. 

Aqui entram questões como o aproveitamento da água da chuva, a produção de alimentos que são adaptados ao local, a produção de espécies rústicas que necessitam de menos cuidado e manter um solo sempre fértil.

  1. Pratique a autorregulação e aceite conselhos

A autorregulação é um dos objetivos do sistema, esse feedback tem como objetivo evitar o colapso do sistema.

  1. Valorizar e utilizar os recursos e serviços renováveis

No entanto, esse objetivo leva em consideração o melhor uso dos recursos naturais para manter as produções, e pode inclusive evitar alguns recursos que não sejam renováveis. 

  1. Evite desperdícios

Aqui você deve ter cinco atitudes: recusar, reduzir, reaproveitar, reparar e reciclar. Nesse ponto é importante antes de pensar em como reciclar, pensar nos quatro pontos anteriores, já que em muitos casos o reciclar não é possível! Devemos desvincular o ato de comprar com prazer e felicidade.

  1. Planejar partindo de padrões de detalhes

Precisamos nos adaptar aos padrões naturais do local e não buscar soluções constantes para que o local se adapte a nós. As escalas de planejamento devem ser organizadas através de zonas e intensidades de uso. Deve-se observar detalhes como a inclinação do terreno, predisposição do vento, sol, umidade, água, fogo. 

  1. Integrar ao invés de segregar

Um dos pensamentos da permacultura é que as relações que agem de forma cooperativas e simbióticas são muito mais contributivas, do que relações que tem como foco a concorrência.

  1. Prefira soluções pequenas e lentas

Em muitos casos, soluções mesmo que sejam pequenas, e que tragam resultados de uma forma mais lenta, podem ser mais eficazes e duradouras. 

  1. Use a diversidade e a valorize

É de suma importância que cada dia mais, cultivamos alimentos diversos para a alimentação e assim como aceitamos e convivemos de forma harmoniosa com a diversidade humana.

  1. Use os limites e valorize o marginal 

Dentro da natureza um dos ambientes mais ricos em diversidade, é o ponto de ligação entre um sistema e o outro.  Garantindo essa preservação e a ampliação desses aspectos, visão aumentar a produtividade e a estabilidade de ambos os sistemas.

  1. Responda criativamente a mudanças

Durante o planejamento e a execução de um projeto, é necessário que ele seja reavaliado e que mudanças sejam realizadas. Por isso, ser flexível é fundamental, e usar da criatividade para buscar soluções para essas intercorrências, é extremamente necessário.

Éticas da permacultura

 A utilização da permacultura é de suma importância para que possamos reaprender a viver de forma ecológica. Com o tempo, a prática nos leva a um reencontro da cultura com a natureza. 

Cuidado com o planeta

Cuidar do planeta significa estar e atuar nele de forma responsável, conservando a vida de todas as espécies, do solo, do ar, da água de modo a garantir o equilíbrio dos processos naturais, trabalhando a favor da natureza e potencializando o aumento dos recursos que geram vida.

Cuidado com as pessoas

Cuidar das pessoas significa o respeito pleno ao outro, ao ser humano que habita o planeta assim como às demais espécies. Levar em consideração o bem estar do indivíduo e cultivar relações saudáveis de amorosidade em comunidade.

Distribuição dos excedentes

Distribuir os excedentes é partilhar de forma justa os recursos, a produção, o tempo e a energia do ambiente e entre as pessoas. Significa não acumular e não gerar desperdício.

Método de planejamento

No planejamento permacultural é preciso considerar o contexto, o conceito e o conteúdo, nesta ordem. Considerando assim o contexto de cada lugar, são estudados os conceitos a serem trabalhados e definidos como base do planejamento. A partir dos quais são determinados os conteúdos, ou seja, a forma, o elemento final a ser utilizado. Que consiste em técnica, estrutural ou viva (cultural no sentido de criação ou cultivo), a ser utilizada. 

Em espaços que não são planejados por permacultores, é comum observarmos uma inversão deste método: as pessoas definem suas escolhas a partir da técnica de interesse, sem se importar previamente com o contexto, o que pode resultar num gasto de energias desnecessário e numa menor eficiência no resultado final esperado.

  1. Leitura Da Paisagem – Contextualizando O Planejamento

Dentro da fase de contexto, ao se entrar em contato com o espaço a ser planejado, uma das primeiras etapas, juntamente ou após o estudo de mapas e informações do terreno, é a realização da leitura da paisagem.

  1. Setorização

Após a leitura inicial da paisagem, define-se uma setorização do local. A setorização na permacultura é a fase do planejamento em que, através de uma leitura da paisagem, são observadas as características físicas que interferem diretamente no planejamento e que independem da vontade dos moradores. 

Como exemplo de setores, temos a posição e o tempo de insolação nas diferentes estações do ano, a presença de características do relevo e o regime de ventos e chuvas. Após a setorização, a próxima etapa de planejamento é o zoneamento.

  1. Zoneamento – Definindo Os Conceitos A Serem Adotados

Para definirmos cada conceito, é realizado um zoneamento, para organização do espaço através de zonas energéticas (de 0 a 5). Este zoneamento estabelece que os elementos devem estar presentes em cada zona de acordo com a demanda de trabalho que este elemento requer, o que facilita o planejamento do espaço.

A zona zero é a casa, ou o centro de demanda de trabalho cotidiano.

A zona um, é o local de produção intensiva de alimentos, culturas de ciclos curtos e/ou que requerem maior atenção diária, como pequenos animais, hortas e quintais.

A zona dois é um local de produção com uma demanda um pouco menor de trabalho. Aqui se encaixam pequenos pomares ou animais maiores, em pequena quantidade a fim de atender a família.

A zona três é um local de produção intensiva mas em grande escala, que requer menor frequência no cuidado, como as lavouras, as criações de grandes animais ou os sistemas agroflorestais mais intensivos.

A zona quatro é um local de culturas perenes ou extensivas, que requerem muito pouco manejo. Aqui, encaixam-se os sistemas agroflorestais de manejo eventual ou o enriquecimento de florestas nativas para consumo.

A zona cinco é a que não requer nenhum manejo, por ser composta por áreas naturais ou regeneradas e florestas nativas, que servirão de inspiração para o permacultor de como funciona a natureza nesse lugar.

  1. Elementos – Quais Conteúdos Cabem Aqui?

Finalizada a definição do zoneamento do espaço, segue-se a delineação do conteúdo: quais técnicas ou culturas (animais ou cultivos – vegetais, fungos e bactérias) deverão ocupar cada espaço e como isso será feito. 

A Flor da Permacultura

Com o desenvolvimento da Permacultura, com seus princípios éticos e de design, Mollisson e

Holmgren sistematizaram sete campos de atuação e saberes que devem ser levados em conta quando se pretende construir uma vida plenamente sustentável.

As pétalas são: Manejo da terra e da natureza, Espaço construído, Ferramentas e tecnologias, Cultura e educação, Saúde e bem-estar individual, Economias e finanças, Posse da terra e comunidade.

Exemplos de Permacultura Urbana

O IPEC se localiza na cidade de Pirenópolis, no estado de Goiás. Fundado em 1998, os idealizadores optaram, um ano após a fundação, pelo desenvolvimento das técnicas em solos típicos do cerrado, para provar a viabilidade das ideias da permacultura e da bioconstrução. 

Outro centro de permacultura conhecido é o Instituto de Permacultura e Ecovilas da Mata Atlântica (IPEMA) que se localiza na cidade de Ubatuba, litoral de São Paulo. Atua desde 1999 na difusão da permacultura para conscientizar e capacitar as pessoas para as áreas de ecovilas e bioconstrução. 

O que é permacultura?

Como elementos do design, a permacultura trata de plantas, animais, edificações e infra estruturas (água, energia, comunicações), bem como, dos relacionamentos que podemos criar entre eles conforme sua composição em um terreno para criar ambientes humanos em harmonia com a natureza.

Como funciona a permacultura?

permacultura utiliza as qualidades inerentes das plantas e animais, combinadas com as características naturais dos terrenos edificações, para produzir um sistema de apoio à vida para a cidade ou a zona rural, utilizando a menor área praticamente possível.

Quais são os pilares básicos da permacultura?

permacultura é uma filosofia, baseada em princípios éticos que são pautados em três pilares: cuidado com o Planeta; cuidado com as pessoas e distribuição de excedentes.