Economia Circular: O Que É e Como Aplicar (+5 Exemplos)

A economia circular é um modelo econômico que precisa ser adotado para preservação do meio ambiente. Nele, todos os elementos utilizados dentro da cadeia produtiva devem ser utilizados ao máximo e depois reaproveitados.
economia circular

O Que é a Economia Circular? 

Economia Circular é um modelo de produção e de consumo que envolve a redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia. Minimizando a extração de recursos, maximizando a reutilização, aumento da eficiência e desenvolvimento de novos modelos de negócios.

Esse reaproveitamento tem como objetivo reduzir ao máximo a extração das matérias-primas do meio ambiente. Já que cada dia mais os recursos da natureza estão se esgotando, essa nova maneira de consumo leva em consideração os aspectos ambientais, econômicos e sociais. 

Segundo a ONU anualmente são mais de 8 milhões de toneladas de plásticos que são lançados no oceano. Se nenhuma medida for tomada, a previsão é que em 2050 tenha mais plástico do mar do que peixes. 

Sendo assim, a gestão de resíduos por meio de soluções como reciclagem e reutilização são essenciais. Além disso, novos modelos de negócios e formas de produção que sejam sustentáveis precisam ser adotadas.

Diferença Economia Circular x Linear

A economia circular contrasta com o processo produtivo atual, que tem a prática de ‘extrair-produzir-descartar’, e é o que chamamos de economia linear.

Em um sistema linear, o crescimento econômico depende do consumo de recursos finitos, o que traz o risco iminente de esgotamento de matérias-primas. Com menos recursos disponíveis, há custos cada vez mais elevados de extração, o que traz instabilidade e insegurança em relação ao futuro.

Além dos problemas associados à extração insustentável de recursos, ocorre também a contaminação decorrente da produção e descarte de produtos. O modelo linear gera um volume sem precedentes de resíduos inutilizados e potencialmente tóxicos para os seres humanos e os sistemas naturais.

A ideia de uma economia circular vem para nos ajudar a superar esses dilemas, e criar novas formas – mais inteligentes – de habitar este planeta.

De onde vem a Economia Circular? 

O modelo de economia circular é uma mistura de importantes escolas de pensamento. Incluindo a economia de performance de Walter Stahel; a filosofia de design Cradle to Cradle de William McDonough e Michael Braungart; a ideia de biomimética articulada por Janine Benyus; a ecologia industrial de Reid Lifset e Thomas Graedel; o capitalismo natural de Amory e Hunter Lovins e Paul Hawkens; e a abordagem blue economy como descrita por Gunter Pauli.

3 Pilares Da Economia Circular

Produção – Eliminar Resíduos E Poluição

A produção deve ter como prioridade a redução da extração de matérias-primas ambientais. Ou seja, devemos reaproveitar mais os recursos na fabricação e utilizar uma menor quantidade de novos recursos. 

Utilização – Manter Produtos E Materiais Em Uso

Além das medidas serem adotadas por indústrias ou empresas, a economia circular tem como objetivo que as mudanças aconteçam de maneira individual. Ao comprar um produto, você deve usá-lo ao máximo! Nunca descarte um produto de forma errada.

Reutilizar E Reciclar – Regenerar Sistemas Naturais

Muitos produtos podem ser reutilizados, caso sua reutilização não seja possível, procure uma forma de reciclar. Através de ações contínuas e sustentáveis, os atores envolvidos na economia circular contribuem para a recuperação dos ecossistemas, trabalhando pelo equilíbrio entre a produção de insumos e a preservação do meio ambiente.

Etapas Da Economia Circular

A economia circular está inserida no processo de fabricação de itens. Portanto, tem algumas etapas em comum com a economia linear.

Entretanto, seu formato cíclico possibilita um melhor aproveitamento dos insumos, gerando um impacto menor para a natureza.

Podemos descrever essa dinâmica em seis fases:

  1. Extração
  2. Transformação
  3. Consumo
  4. Manutenção e reparação
  5. Reutilização
  6. Reciclagem ou tratamento para descarte consciente.

Repare que as primeiras etapas são as mesmas que na economia linear, porém, costumam ser focadas na diminuição de desperdício e no reaproveitamento de materiais.

8 Características Desse Modelo De Economia

1. Criar Um Produto Sem Resíduo

Na economia circular no momento da criação de um produto, ele deve ser projetado para permanecer dentro de um ciclo. Esse ciclo é de técnicas e materiais biológicos, esses materiais podem ser compostados ou reutilizados. Ou seja, ele poderá ser reutilizado, sem que o mesmo se torne um resíduo sem aproveitamento. 

2. Possuir Resiliência E Diversidade

É importante que dentro da sociedade moderna, em que aspectos como mudança e evolução são constantes, alguns pontos devem ser priorizados. Entre esses pontos a versatilidade, modularidade e adaptabilidade. 

Dentro da economia circular, os sistemas possuem mais escalas e conexões, a diversidade, devem ser mais resistentes. Permitindo que o produto seja mais resistente ao tempo e não deve ser criado apenas para um determinado momento. 

3. Mudar Para Fontes De Energias Que Sejam Renováveis

Devemos buscar meios de geração de energia que sejam renováveis e que contribuam para que aconteça um processo de restauração. Uma das fontes de geração de energia que mais vem sendo utilizadas é a energia solar. 

O objetivo é integrar aos sistemas alimentares a sustentabilidade, assim seria reduzido a necessidade da inserção de insumos que tenham como base, combustíveis fósseis. 

4. Pensar No Sistema Como Um Todo

Nesse sistema é de suma importância compreender como cada parte influencia de forma mútua é essencial e cada elemento deve ser considerado no seu contexto social e ambiental.

É preciso considerar as graves consequências que condições imprecisas podem gerar, além dos resultados descontrolados. Esses sistemas precisam ter uma maior flexibilidade e facilidade de se adaptar a mudanças circunstanciais.

5. Pensamento Em Cascata

Os materiais biológicos devem ser utilizados em cima da possibilidade de criar um valor adicional em forma de cascata, possibilitando que outras aplicações sejam realizadas.

Durante o processo de decomposição, seja de forma natural ou em fermentação controlada, é importante tentar extrair energia e nutrientes, carboidratos, proteínas e gorduras desse material.

Assim, nem sempre é preciso extrair um novo recurso natural: ele pode resultar de um insumo reciclável, que é transformado em matéria-prima para um novo item.

Observe, ainda, que o consumo é seguido por manutenção e reparação, a fim de que os materiais tenham uma vida útil mais longa e possam ser reutilizados.

Na última fase, a reciclagem é a primeira opção, sendo que o descarte só acontece quando o recurso foi esgotado.

6. Aumentar e preservar o capital natural

Dentro da economia circular é importante buscar recursos renováveis que apresentem um melhor desempenho, para assim reduzir os custos. Outro ponto, é a importância de estimular o fluxo de nutrientes dentro do sistema, visando criar condições para que o solo se regenere. 

7. Novas formas de utilizar recursos

É extremamente importante buscar formas de dar nova vida a produtos que já não servem para seu uso inicial. Dessa forma, podemos encontrar maneiras de reformar ou reciclar componentes e materiais, aumentando sua circulação e contribuindo para a economia.

8. Aumentar a eficácia de processos

Quando bons resultados são realizados na gestão de recursos, o ciclo de produção e atividade permanece contínuo. Por isso, é importante usar com consciência os recursos naturais como água, solo e ar, evitando a poluição sonora e ambiental.

Exemplos de Economia Circular

CBPak

A visão voltada à economia circular está na raiz do negócio dessa companhia brasileira, que atua na produção de copos, potes e bandejas usando fécula de mandioca como matéria-prima.

Ao final da vida útil, os itens acabam servindo como adubo. Ou seja, não precisam ser descartados.

A companhia foi fundada em 2002 pelo engenheiro Claudio Bastos e, atualmente, produz milhões de embalagens customizadas e biodegradáveis.

Nespresso

Famosa pelas máquinas de café e outras bebidas, a marca criou uma solução própria para reutilizar cápsulas de alumínio, investindo milhões de reais em iniciativas como o Centro de Reciclagem Nespresso.

Segundo relato para o site da Época, em 2019 a empresa recolhia 22% das cápsulas vendidas, através de um sistema mobilizado por carros elétricos nas capitais de São Paulo e Rio de Janeiro.

Enquanto o alumínio é reciclado inúmeras vezes, o pó de café é transformado em adubo.

Coca-Cola

A gigante do ramo de bebidas possui várias iniciativas locais em favor da economia circular, como a reutilização de suas garrafas de vidro.

Em 2019, a engarrafadora Coca-Cola FEMSA Brasil celebrou a reciclagem de 100 milhões de garrafas PET em um ano, por meio do centro de coleta SustentaPET.

O local funciona em parceria com catadores de material reciclável e cooperativas, fortalecendo sua atuação e colaborando para o descarte correto de resíduos.

Ikea

Um anúncio recente deu destaque à varejista de móveis sueca, que irá comprar móveis usados de clientes que não os utilizam mais.

O objetivo é diminuir o descarte de peças, que serão comercializadas como itens de segunda mão pela própria empresa, tendo como meta aderir totalmente à economia circular.

A meta é que até o final de 2021, o serviço esteja disponível em todas as suas lojas.

Economia Circular na Moda

O número de vezes que uma roupa é utilizada até o seu descarte, diminuiu 36% se comparado a 15 anos atrás. 

Ellen Macarthur Foundation

O relatório preparado pela Ellen Macarthur Foundation,  “A new textiles economy: Redesigning fashion’s future”, defende a criação de um plano de ação em torno de um novo modelo têxtil. Revertendo perdas de até US$ 500 bilhões em roupas subutilizadas e falta de reaproveitamento de recursos.

C&A

As mulheres de Paraisópolis-SP se uniram para transformar sua comunidade. O Costurando Sonhos leva independência financeira para mulheres vítimas de violência doméstica oferecendo à elas a chance de aprender a costurar. 

A C&A Foundation dedicou 250 mil euros à empresa social Circle Economy, para expandir seu Programa Circular Têxtil. A Circle Economy é uma cooperativa dedicada a acelerar a aplicação prática e escalável da economia circular na indústria da moda.

Desafios para o futuro

Implantar o modelo circular implica em uma grande mudança e rompimento de paradigmas. Afinal, é preciso deixar de lado o conceito linear, adotado por séculos, para abraçar um novo formato na relação entre a humanidade, a produção de insumos e a natureza.

Vale lembrar que, apesar de insustentável, o modelo linear predomina até hoje em algumas nações, em especial na América do Sul. É simples verificar esse fato, bastando observar as prioridades das companhias do continente.

Muitas ainda não manifestam preocupação ambiental a ponto de modificar sua estrutura em prol dessa causa. Existe, ainda, a necessidade de organizar uma estrutura que puna ou corrija a lógica linear e, simultaneamente, premie a economia circular.

Essa premissa deve estar, por exemplo, em leis e normas dos países a respeito do meio ambiente e gestão empresarial, com incentivos para as organizações que se proponham a virar a chave e adotar o modelo cíclico.

Falando especificamente do Brasil, é crítico diminuir a burocracia no setor e promover mudanças no sistema tributário, a fim de favorecer o melhor uso possível dos recursos naturais.

As pessoas também perguntam

Qual objetivo da economia circular?

Na economia circular, o processo de reciclar e reutilizar deve ser levado em consideração até mesmo antes da criação de um produto. Deve-se pensar como esse produto será usado e reutilizado, de modo que ele não se torne lixo.

Quais os princípios da economia circular?

Existem três pilares principais na economia circular:
1. Produção – Eliminar Resíduos E Poluição
2. Utilização – Manter Produtos E Materiais Em Uso
3. Reutilizar E Reciclar – Regenerar Sistemas Naturais